O balancete condominial é um dos documentos imprescindíveis para a administração de um condomínio. Elaborá-lo corretamente depende de muita organização e transparência.

Afinal, o síndico é cobrado por suas ações constantemente, principalmente quando se fala de finanças.

Mas o que é balancete condominial?

É um levantamento contábil que resume receitas e despesas de um determinado período. A partir disso o balancete apresenta o saldo do mês anterior e o atual.

O saldo do mês é o resultado da diferença do dinheiro que foi recebido e a quantia que foi gasta. Já o saldo atual consiste no valor total, ou seja, soma-se o que tinha em caixa no mês anterior com o saldo do mês vigente.

Analisando todos os balancetes, mês a mês, é possível saber como está a saúde financeira do condomínio. Estas informações são cruciais para realizar previsões orçamentárias, planejar melhorias e reduzir gastos desnecessários.

Mas fazer um balancete não significa apenas apresentar números. É preciso comprovar, por meio de documentos, todas as movimentações financeiras.

 Veja os documentos necessários:

  • Relação de receitas

Relatório dos condôminos adimplentes e inadimplentes, incluindo os valores de multas por atraso da taxa mensal, além de todas as receitas do condomínio, bem como (se for o caso) o valor dos aluguéis das áreas comuns do prédio.

  • Relação de despesas

Todas as despesas precisam ser apresentadas: as contas fixas (contratos, folhas de pagamento, impostos, pagamento de seguros); as variáveis (água, luz) e também as extras (obras ou consertos emergenciais).

Sabendo disso, deve-se tomar cuidado, e manter sempre organizado os outros documentos que tenha correlação com o balancete condominial, tais como: comprovantes, notas fiscais e extratos.

Estes documentos devem ser digitalizados e mantidos no sistema para evitar perdas, pois estes documentos são meios de prova para as movimentações financeiras.

Agora que já sabe sobre o balancete condominial acesse o nosso blog em encontre mais conteúdo como este.